Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Esporte

Operário Várzea-grandense sinaliza desistir de contratar o goleiro Bruno

 |
Divulgação / Reprodução

A pressão popular, que inclui protestos de grupos de mulheres e homens e também a reação contrária de alguns patrocinadores do Campeonato Mato-grossense, começa a surtir efeito na contratação do goleiro Bruno Fernandes pelo Clube Esportivo Operário Várzea-grandense. Nesta quarta-feira (22) a diretoria do clube de Várzea Grande (MT) divulgou um breve comunicado à imprensa no qual informa que está “revendo a possível contratação do goleiro Bruno Fernandes”.

O comunicado é divulgado em menos de 24 horas após o protesto realizado na frente do Estádio Dito Souza, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, na noite desta terça-feira (21). À ocasião, os participantes protestaram contra o Operário e deixaram claro que não aprovam a contratação do goleiro feminicida, condenado a 20 anos de prisão pela morte e ocultação do cadáver da modelo Eliza Samúdio, em 2010, em Minas Gerais.

É a primeira manifestação do Clube Operário após uma série de críticas que vem recebendo de moradores de Várzea Grande e outras cidades mato-grossenses, de entidades ligadas a causas em defesa das mulheres e até de políticos, a exemplo da deputada Janaína Riva (MDB) que usou suas redes sociais para repudiar a contratação.

Ela ressaltou que “não é normal um homem que matou a amante, até hoje não confessou ou se arrependeu, não entregar onde enterrou o corpo (segundo seu julgamento, deu partes do corpo para os cachorros comerem), voltar aos campos e ter uma vida de um cidadão comum. Pior que isso, podendo se tornar um ídolo para as crianças de Mato Grosso, um símbolo de que é possível matar e retomar sua vida como se nada tivesse acontecido”.

O comunicado divulgado pelo Operário diz o seguinte: “Pelo presente, viemos informar que a diretoria do Clube Esportivo Operário Várzea Grandense está revendo a possível contratação do goleiro Bruno Fernandes. Na oportunidade, agradecemos vossa atenção e elevamos a V.Sª. nossas considerações”.

Bruno cumpre pena em regime semiaberto domiciliar após cumprir, no regime fechado, uma parte da pena pelo assassinato de Eliza Samudio, que era sua amante e mãe do filho do goleiro. Os restos mortais da vítima nunca foram encontrados. A Justiça de Minas Gerais já havia autorizado o atleta a se mudar para Mato Grosso para trabalhar. Faltava ainda a Justiça de Mato Grosso se posicionar sobre a possível vinda de Bruno para Várzea Grande.

Patrocinadores reagem

Após a confirmação de que o goleiro Bruno, de fato, viria morar em Várzea Grande para jogar profissionalmente no Operário, pelo menos dois patrocinadores proibiram a veiculação de suas marcas em uniformes do Clube Operário Futebol Várzea-Grandense. O primeiro foi o Sistema de Crédito Cooperativo Sicredi. Depois foi a vez da rede de lojas Eletromóveis fazer o mesmo.

Na Bahia, no começo do mês, o time Fluminense de Feira de Santana desistiu de contratar o goleiro Bruno, após uma jornalista de um programa local fazer uma dura crítica e o vídeo viralizar nas redes sociais.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Esporte (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial