Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Polícia

Mulher diz à Polícia que advogado tentou estuprá-la em escritório

 |
Divulgação / Reprodução

Uma mulher de 30 anos procurou a Polícia Civil, na última sexta-feira (11), para formalizar uma acusação de tentativa de estupro contra o advogado Cleverson Campos Contó. Ela integra um grupo de mais de 10 mulheres que alegam ter sido vítimas de violência por parte dele.

A tentativa de estupro foi relatada para a delegada Jozirlethe Criveletto, titular da Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Cuiabá.

Conforme o termo de declaração, ao qual o MidiaNews teve acesso em primeira mão, a mulher trabalhou com o advogado em seu escritório, durante três meses, no ano de 2012.

Ela disse que por causa de diversas discussões com o advogado - que "a humilhava” -, decidiu deixar o emprego.

Seis anos depois, em 2018, ela conta que estava em um supermercado na Capital e encontrou o advogado. Contó disse a ela que precisava de uma secretária e a convidou para uma entrevista de emprego.

Em seu relato, ela disse que aceitou o convite acreditando que o advogado teria amadurecido. A mullher disse que foi fazer uma entrevista para o emprego, e que tudo ocorreu normalmente até que, ao terminar as perguntas, Contó se levantou e se posicionou ao lado dela.

"Ele ficou ao meu lado passando as mãos em meu ombro. Eu fiquei paralisada me questionando se ele estava insinuando algum ato sexual. Na dúvida, decidi me levantar e deixar a cadeira entre eu e ele”, diz trecho do termo de declaração.

“Deixa eu ver sua calcinha”

Ao notar que ela se levantou, o advogado foi até ela, colocou as mãos sobre a calça  e conseguiu abrir o botão e o zíper.

“Por trás forçou tirar a calça da declarante conseguindo abrir o botão e o zíper; que a vítima começou a puxar suas calças tentando impedir que o suspeito as tirasse, e mesmo suplicando para parar o agressor continuou dizendo 'Deixa eu ver sua calcinha'”, contou.

Ela relatou ainda que nesse momento conseguiu se desvencilhar dos braços do advogado e correu para fora do escritório.

“A declarante (...) correu para a porta saindo do local; que a mesma continuou olhando para atrás temendo que o suspeito estava lhe seguindo, porém o mesmo não a perseguiu e a vítima”, afirmou.

À delegada, ela revelou que por se sentir envergonhada não relatou o caso anteriormente, mas que com a exposição de diversos casos com o advogado, decidiu procurar a Polícia Civil.

“A declarante ressalta que pelo fato de ter tido seu íntimo violado se sentiu envergonhada e decidiu vir até esta especializada registrar os fatos motivada pelas denúncias das outras vítimas do agressor”, consta em boletim.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Polícia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial