Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Polícia

Secretaria acusa deputado de entrar em UTI de pacientes com Covid e registra BO

 |
Divulgação / Reprodução

A secretaria municipal de Saúde (SMS) de Cuiabá registrou BO na Polícia Civil e fez representação na Assembleia contra o deputado Ulysses Moraes (PSL). A reclamação é que o parlamentar desrespeitou as orientações dos profissionais de saúde e ingressou nas dependências do antigo Pronto-Socorro, transformado em hospital referência para tratamento da Covid-19 na Capital, com o pretexto de fazer “fiscalização”, se expondo ao risco de contaminação já que a unidade recebe apenas pacientes infectados pelo novo Coronavírus.

Segundo o BO, Ulysses não foi autorizado pelo secretário municipal de Saúde, Luiz Antônio Possas de Carvalho, a fazer a fiscalização, mas mesmo assim continuou nas dependências da unidade. Além disso, relata que o parlamentar ingressou até mesmo na UTI onde os pacientes de Covid-19 estão internados.

Essa não foi a primeira vez que Ulysses teve problemas com a SMS de Cuiabá. Em 14 de abril, o parlamentar foi fiscalizar o HMC após receber denúncias de profissionais de saúde e acabou sendo impedido pela PM. Na data, as visitas já estavam suspensas por conta da pandemia da Covid-19.

 Pela assessoria, a  A Prefeitura de Cuiabá diz qye  prima pela transparência e jamais se furtou a prestar quaisquer esclarecimentos, bem como impediu o exercício legal da fiscalização inerente aos parlamentares e demais órgãos de controle e até mesmo a população, desde que sejam feitos de forma respeitosa.

"Exatamente por ferir esse princípio, a Secretaria Municipal de Saúde realizou a comunicação dos atos praticados pelo deputado à Assembleia Legislativa. E, na oportunidade, solicitou apuração e abertura de Processo Administrativo, uma vez que, por inúmeras vezes, o parlamentar tem usado de subterfúgios desrespeitosos para com os ambientes hospitalares Municipais dentre os quais; São Benedito, HMC e antigo Pronto Socorro", diz nota divulgada na tarde desta quarta (27).

O Executivo Municipal pontua que as condutas são consideradas inaceitáveis, especialmente no momento em que todos os esforços estão voltados para o combate à disseminação da Covid -19. Inclusive, com o comportamento, o referido parlamentar fere todos os protocolos de segurança da Organização Mundial de Saúde (OMS) colocando em risco a saúde dos pacientes, servidores e do próprio deputado.

Declarações "falsas"

Em nota, Ulysses alega que a SMS de Cuiabá  presta declarações  falsas acerca  exercício de fiscalização feito junto ao antigo PS. De acordo com deputado, chama a atenção o fato da prefeitura querer sempre calar os que exercem seu ofício fiscalizatório. Na sua opinião, isso demonstra a falta de respeito com o cidadão cuiabano e com os profissionais de saúde que exercem suas funções em situação precária.

Ulysses Moraes

“Para deixar claro, exerci meu direito de fiscalização, amparado pela Constituição do Estado de Mato Grosso, a qual jurei ser guardião, bem como pela Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa que me autorizou essa tarefa, e por fim, respaldado por um Parecer Técnico da Procuradoria Geral do Poder Legislativo Estadual que me confere esta prerrogativa, sempre dentro dos limites da lei e da ordem”, sustenta Ulysses.

O parlamentar garante que a visita técnica foi feita em conjunto com um representante do Conselho Regional de Medicina (CRM-MT) com todos os cuidados frente ao Covid-19, tais como a colocação de EPI’s para averiguar denúncias de sucateamento de setores do PSMC, e do atraso do pagamento dos profissionais da saúde.

Alega ainda que  o mesmo trabalho foi realizado nos municípios de Sinop, Primavera do Leste e Rondonópolis, neste último, inclusive, contando com a presença de outros parlamentares e que somente a Prefeitura de Cuiabá coloca obstáculos para a fiscalização.

“Atos como esse não vão me intimidar, muito pelo contrário, me fortalece a fazer mais pelo cidadão de bem, mostrando a realidade no serviço público. Nos locais em que tiver dinheiro do Estado de Mato Grosso, eu estarei lá fiscalizando. Para finalizar, concluo que o relatório da minha visita ao Pronto Socorro já foi enviado ao Ministério Público do Estado de Mato Grosso, ao Ministério Público do Trabalho e ao Tribunal de Contas”, concluiu.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Polícia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial