Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Polícia

Carta em protesto pela morte de Natalya viraliza na internet

 |
Divulgação / Reprodução

O assassinato da menina Natalya Bianca Lima, 8, em Sorriso (420 km ao Norte de Cuiabá), na quarta-feira (17), tem repercutido em diversos estados. A menina foi estuprada e morta por estrangulamento e uma carta protesto circula nas redes sociais e tem milhares de compartilhamentos de pessoas revoltadas com o crime bárbaro.

No texto, a autora Daniela Aquino Silva, que mora em São Paulo, escreve como se a vítima estivesse falando. Demonstra sua agonia, desespero e tristeza diante da morte prematura.

“Enquanto ele abusada de mim os meus olhos ficavam roxos ( era a minha vida indo embora ) eu tentei lutar, tentei me debater, mais eu era só uma menininha frágil e indefesa”, diz parte da carta.

No decorres do protesto, ela menciona fatos noticiados de que o rapaz já havia estuprado um menino de 9 anos antes e que ficou “impune” por ser menor.

Critica a Justiça por não ter evitado que Jonathan Nicolas Duarte, 20, fizesse nova vítima. “Aquele homem pode até ter tirado a minha vida, mais foi a justiça desse país quem apertou o gatilho”.

Somente na página de Daniela, o post tem mais de 3 mil comentários e 4 mil compartilhamentos. Sem contar os números dos compartilhamentos de outras pessoas que pegaram a publicação de outras contas.

“Calma papai porque agora a minha festinha será no céu. Os anjos já foram convidados e o meu convidado de honra é o meu Deus! Então não chores mais porque aqui estou bem guardada e ninguém vai me machucar de novo”, diz trecho da

mensagem.

Ao fim do desabafo, a autora escreve: “E eu sou mais uma princesinha que ficou pra estatística”.

 O caso
A menor foi estuprada e morta na madrugada do dia 18 de julho, em Sorriso. O suspeito Jonathan Nicolas Duarte teria invadido a casa, onde a menina estava sozinha, a violentou e quebrou seu pescoço.

A mãe encontrou a filha desacordada na cama e a encaminhou para o hospital, mas ela já estava morta.

O homem foi preso no dia dos crime e encaminhado para o presidio Ferrugem, em Sinop. Ele confessou o crime e disse que tinha consumido drogas antes de cometer o assassinato.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Polícia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial