Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Agronegócio

Setor agropecuário ganha nova entidade representativa

Instituto de Desenvolvimento Pecuário reúne empresários rurais e foi oficializado em assembleia nesta quarta-feira, 28 de abril

A pecuária gaúcha e brasileira ganha mais um espaço de representatividade. Com origem em um grupo de WhatsApp criado para a troca de informações e experiências, surge o Instituto de Desenvolvimento Pecuário (IDPec) formado por empresários rurais. Conectados às mais modernas redes de comunicação, os integrantes do grupo entenderam que era o momento da institucionalização de forma a lhes garantir legitimidade. O IDPec foi lançado oficialmente nesta quarta-feira, dia 28 de abril, durante assembleia geral.

Eleito como o primeiro presidente da entidade, Luis Felipe Barros destaca que a criação do Instituto não é fruto de um sonho, mas sim de uma necessidade para dar vazão aos interesses de todos que vêm contribuindo para esta realização. Ele ressalta que a atuação dentro do IDPec ocorrerá de forma coletiva, através do diálogo, com o intuito de superar desafios, em especial, nos momentos em que for exigido um posicionamento público. "O meu objetivo é exercer uma gestão executiva que leve à frente as decisões tomadas em assembleia", pontua.

O Instituto de Desenvolvimento Pecuário tem como lema desenvolver o pecuário, ou seja, desenvolver a pessoa, o empresário, conforme explica Barros. Entre as metas para 2021/2022 estão entregar informação de qualidade e construir, fomentar ou orientar programas de tecnologia que possam modernizar e auxiliar o indivíduo, assim como defender pautas importantes de forma institucionalizada. Como um diferencial, o IDPec quer aproveitar as ferramentas mais atuais de comunicação para ajudar na evolução do negócio, ao lado das entidades já existentes no setor.

O presidente do Conselho de Administração do IDPec, Ricardo Henrique Giuliani, afirma que o Instituto tem o privilégio de reunir excelentes empresários rurais que compactuam dos mesmos objetivos. "Precisamos saber do micro e do macro mercado de compra e venda de reposição, indústria, exportação, entre outros. Para tanto, precisamos pensar a pecuária como empresa rural e, ao mesmo tempo, tradicional e moderna", observa.

De acordo com o presidente do IDPec, com a cultura da internet e dos meios de comunicação, o produtor hoje recebe instantaneamente e celeremente inúmeras notícias, seja em relação às novas técnicas ou ao preço dos produtos. "Isso efetivamente nos eleva a um patamar distinto, haja vista que o valor do produto não é imposto pela indústria ou avaliado a partir das negociações ocorridas numa curta região, mas, sim, pautado pela análise do mercado e também negócios ocorridos em todo o país", finaliza Barros.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Agronegócio (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial