Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Economia

Mato Grosso tem hoje a menor alíquota do etanol do país no mercado interno

Lei que está na Assembleia não prejudica o setor e o torna mais competitivo no mercado externo, sem prejudicar o comércio interno

 |
Divulgação / Reprodução

O Estado de Mato Grosso tem a menor alíquota de etanol combustível do país, para a comercialização do produto no mercado interno. 

Atualmente, a alíquota é de 10,5% para o etanol.

“Na maioria dos Estados o Etanol está com alíquota acima de 20%. Hoje, apenas o Estado de São Paulo está perto de Mato Grosso, com a tarifa do ICMS que incide sobre o etanol, de 12%”, explicou o governador Mauro Mendes.

De acordo com o levantamento da Secretaria de Estado de Fazenda, no estado do Rio Grande do Sul a alíquota é de 30%. Já nos estados vizinhos de Mato Grosso, o valor cobrado é superior ao dobro do aplicado em território mato-grossense. Em Tocantins, a alíquota é 29%; Rondônia está fixado em 26%; e no Amazônas, Pará, Mato Grosso do Sul e Goiás é cobrado 25%.

Com o projeto de lei que está na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, para a reinstituição dos benefícios fiscais, está previsto que o etanol, para o mercado interno terá uma elevação de 2,5%, ou seja, passará de 10%, para 12,5%, e, mesmo assim, estará na segunda colocação entre os estados brasileiros com a menor alíquota para a comercialização do produto no mercado interno.

Nas operações interestaduais, conforme os dados da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, a carga tributária deverá ficar em 6%, menor do que a aplicada atualmente. Além disso, esse valor poderá cair para 5%, dependendo do incremento da produção.

“Aquilo que já falaram sobre o projeto de lei, que irá inviabilizar o setor de etanol e afastar o empresário é uma inverdade. O setor continua competitivo perante todos os estados da federação, tanto no comércio interno como no externo”, destacou o governador Mauro Mendes.

O governador acrescentou que o projeto de lei precisa ser analisado e conhecido por toda a sociedade, para que as pessoas possam entender que a lei não está aumentando impostos e, sim, corrigindo injustiças fiscais e trazendo segurança jurídica para o setor empresarial, industrial e do agronegócio.

Ainda segundo Mauro Mendes, a prova maior de que o projeto não prejudica o setor de etanol é o início da construção da segunda usina de etanol da Inpasa em Mato Grosso, na cidade de Nova Mutum.

O grupo irá inaugurar nos próximos dias uma usina em Sinop e já prospecta novos investimentos em Mato Grosso, que podem totalizar R$ 5 bilhões.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Economia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial