Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Economia

Quilo do tomate chega a custar R$ 10 em Cuiabá; inflação nas hortaliças sobe

 | Olhar Direto
Olhar Direto

Os consumidores devem se preparar para o reflexo da inflação nas hortaliças, em especial o tomate. O valor alto é consequência direta das menores quantidades ofertadas aos mercados, por conta de condições climáticas que não favorecem o desenvolvimento nas lavouras. Na feira do Porto, em Cuiabá, por exemplo, o preço do quilo chega a custar R$ 10.

No mês passado, a elevação foi registrada em todo País. A tendência é que os preços continuem aumentando em abril, como aponta o 4º Boletim Prohort, divulgado na terça-feira (16) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).
 
O comerciante da Feira do Porto, Carlos Gonçalves, de 49 anos, lembra que a alta nos preços sempre acontece nos períodos da Semana Santa (abril) e Ano Novo (janeiro). “Quando chega à véspera da Semana Santa, de Ano Novo, você pode fazer uma pesquisa, que o tomate sobe. Detalhe, que é uma época que falta produto”, pontua.
 
Segundo ele, o aumento no preço provoca a recuada dos compradores. “A gente vendia 20 caixas de tomate por semana. Agora estamos vendendo 10, 12 no máximo. Antes você pegava 500 reais e comprava dez caixas, agora você não compra cinco. Tomate [dura] no máximo quatro dias, depois disso você perde, joga o dinheiro fora”.
 
“A performance dos preços elevados em março é consequência direta das menores quantidades ofertadas do fruto aos mercados, uma vez que as condições climáticas não favoreceram o desenvolvimento nas lavouras”, explica a gerente de Modernização do Mercado Hortigranjeiro da Conab, Joyce Rocha Fraga. “Aliado a isso, os preços pouco atrativos em 2018 fizeram com que os produtores diminuíssem a área plantada, o que significou também menos tomate entrando no mercado”.
 
De acordo com o Boletim, outra hortaliça de destaque foi a batata. Mas, apesar da ascensão de preços desde outubro de 2018, esse movimento de alta tem perdido força. “Mesmo assim, a hortaliça ainda tem pesado na hora da compra para o consumidor, e essa tendência deve se manter até o final deste mês”, pondera Fraga.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Economia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial