Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Polícia

Força Tática prende homem que assediou sexualmente de miss em Rondonópolis

 |
Divulgação / Reprodução

A Força Tática da Polícia Militar de Rondonópolis prendeu na tarde desta terça-feira (28) o suspeito de assediar sexualmente a modelo e Miss Mato Grosso, Ingrid Santin.

Na segunda-feira (27) a modelo denunciou que um homem de motocicleta havia a perseguido e assediado sexualmente em Rondonópolis.

Após isso, a Agência Regional de Inteligência realizou diligências e conseguiu localizar e deter o indivíduo.

Além disso, a Polícia Militar relatou que o suspeito já foi preso outras três vezes pelo mesmo crime.

O caso

A modelo e miss Mato Grosso 2019, Ingrid Santin, gravou um vídeo de sete minutos em seu perfil no Instagram nesta segunda-feira (27); onde relata que foi perseguida e assediada por um homem que estava em uma motocicleta, no último domingo (26) em Rondonópolis.

Ingrid conta que era por volta das 15h30 e estava de motocicleta a caminho da casa de sua irmã quando percebeu que estava sendo seguida pelo agressor. A modelo tentou ultrapassar uma caminhonete modelo Chevrolet S-10 que estava à sua frente como uma forma de se livrar do suspeito ou inibir possíveis atitudes.

“Percebi que uma caminhonete estava na minha frente e o pensamento foi: ‘Vou alcançar essa caminhonete, ultrapassando e ele fica para trás, ou ultrapasso, para poder andar na frente e as pessoas que estão a caminhonete vão estar me vendo e então isso vai impedir algo de acontecer’”, relatou.

Ingrid disse que não conseguiu alcançar a caminhonete e, em questão de segundos, quando viu o homem já estava do seu lado e colocou a mão entre as pernas, tocando as partes íntimas da jovem.

“Ele conseguiu se aproximar e ficar bem do meu lado e colocou a mão entre as minhas pernas, nas minhas partes íntimas, e apalpou”, descreveu.

Ao recordar dos momentos de desespero, Ingrid, que carrega dois títulos de Miss, Rondonópolis e Mato Grosso 2019, não consegue conter as lágrimas e chora ao relatar o assédio.

Conforme relato da modelo, na tentativa de se livrar do suspeito, a vítima começou a gritar e buzinar desesperadamente, puxando sua moto para o lado oposto e quase caiu.

“A minha reação foi puxar a moto para o outro lado, quase cai. Puxei a moto e comecei a gritar e a buzinar incansavelmente. Não tinha ninguém na rua. Ele continuou acelerando e virou na rua seguinte. Eu estava muito desesperada, com muito medo e continuei acelerando até a casa da minha irmã. Ela me acolheu”, desabafou Santin.

A jovem conseguiu mostrar imagens de câmeras de segurança onde aparece o suspeito a perseguindo pelas ruas.

Descaso na Delegacia

Na manhã desta segunda-feira (27), a vítima relata que se sentiu ainda mais humilhada ao tentar registrar o Boletim de Ocorrência (B.O.) na Delegacia da Mulher e o sentimento que ela teve foi de decepção, descaso e desproteção por parte da segurança pública.

“Hoje fui até a Delegacia da Mulher fazer o boletim de ocorrência e me senti extremamente humilhada. Hoje percebi porque tantas mulheres talvez não denunciam ou quando denunciam mesmo assim acontece algo depois. Infelizmente, percebi um sistema que não é efetivo”, afirmou.

Ao ser atendida por uma policial que colheu seu depoimento, a vítima desabafa que em determinado momento, a escrivã a questionou se ela conseguiu anotar a placa da moto do suspeito.

Ingrid disse que não pensou nisso quando estava sendo molestada, mas que se lembra de características do veículo e das roupas do suspeito.

No entanto, a policial disse que sem essa informação, não poderia registrar o B.O., pois não conseguiria encontrar o suspeito.

“Ela me disse que não poderia realizar o boletim de ocorrência sem a placa da moto porque não faria sentido, não teria como identificar o suspeito. E aí, eu me pergunto? Sou eu cidadã e vítima que tenho que identificar a placa e o suspeito? Sou eu que tenho que ir atrás? Ou isso é uma obrigação e dever da Polícia?”, indagou a vítima.

Visivelmente abalada, Ingrid relata que insistiu em fazer o boletim de ocorrência que foi registrado como natureza diversa e não como assédio.

Além disso, ela ainda desabafa que sente medo de andar na rua e pensa nas mulheres que não tiveram tanta sorte como ela.

“Me pego pensando nas mulheres que não tiveram a mesma sorte que eu de não ter acontecido nada além disso, as mulheres que não conseguiram fugir, que não conseguiram ter a mesma sorte. Até quando vamos viver com medo? Até quando vamos temer por andar na rua? Eu só temo”, finalizou a Miss.

Outro lado

A Polícia Civil admitiu que foi questionado se a vítima tinha informações sobre a placa da moto que a perseguiu, mas informou que o B.O. foi registrado mesmo assim.

De acordo com a instituição, os policiais são obrigados a colher o máximo de informações possíveis para identificar o suspeito.

Em nota, a Polícia ainda afirmou que a delegada responsável pelo caso já determinou diligências para identificar o homem.

Além disso, a corporação ainda reforçou que será investigado internamente se houve algum tipo de falta disciplinar por parte de algum servidor da Polícia Civil durante o atendimento à miss.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Polícia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial