Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Polícia

Defensor de MS é condenado a prisão por roubo de joias avaliadas em R$ 550 mil em Campo Verde

Carlos Eduardo ingressou na Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul em 2009 e o crime foi registrado em 2005. Ele também foi condenado à perda do cargo.

 |
Divulgação / Reprodução

A Justiça de Mato Grosso condenou o defensor público de Mato Grosso do Sul (MS) Carlos Eduardo Oliveira de Souza a 9 anos e 4 meses de prisão pelo roubo de joias avaliadas em mais de R$ 550 mil em Campo Verde, a 139 km de Cuiabá, em 2005. Ele ingressou na Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul em 2009. Carlos Eduardo também foi condenado à perda do cargo.

A reportagem tenta localizar a defesa do defensor. As ligações à Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul não foram atendidas.

A decisão é da juíza Caroline Schneider Guanaes Simões, da 3ª Vara Criminal e Cível de Campo Verde, e foi proferida no dia 5 de agosto.

Conforme a ação, na madrugada de 16 de setembro de 2005, em uma joalheria localizada na Avenida Brasil, Centro de Campo Verde, Carlos Eduardo e outros réus roubaram, mediante grave ameaça exercida com arma de fogo, um carro e várias joias em ouro e prata avaliados em total de R$ 550 mil, além de R$ 300 em dinheiro.

Os acusados foram presos no dia 13 de dezembro de 2005, mas foram colocados em liberdade 7 dias depois, em 20 de dezembro do mesmo ano.

A magistrada determinou que Carlos Eduardo pode cumprir a pena em liberdade.

“Estabeleço o regime inicial para cumprimento de pena o fechado como suficiente para a justa reprovação da conduta, diante das circunstâncias judiciais negativas e em razão do quantum da pena aplicada. Contudo, autorizo que o acusado aguarde o trânsito em julgado da sentença em liberdade, tendo em vista que permaneceu solto durante toda a instrução criminal. Condeno o réu Carlos Eduardo Oliveira de Souza, ainda, a perda da função de defensor público de Mato Grosso do Sul”, determinou a juíza.

A magistrada salienta na decisão que o crime foi premeditado.

“O grau de reprovabilidade da conduta do agente, esta se mostrou elevada, uma vez que o crime foi premeditado, tendo em vista que as vítimas foram escolhidas antecipadamente, em razão de realizar vendar de joias e semijoias, possuindo os agentes o conhecimento dos objetos que iriam ser subtraídos e até mesmo como era a estrutura da residência e loja dos ofendidos”, disse ela.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Polícia (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial