Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Mato Grosso

Promotora denunciada por suposto desvio de R$ 985 mil de TACs é afastada do cargo

 |
Divulgação / Reprodução

A promotora Solange Linhares Barbosa, da 1ª Promotoria de Justiça Criminal de Chapada dos Guimarães, foi afastada do cargo, por determinação da desembargadora Clarice Claudino, do Tribunal de Justiça (TJ-MT), por suposto desvio de R$ 985,7 mil. A decisão é de segunda (17) e não foi disponibilizada na íntegra, uma vez que o processo corre em segredo de Justiça.

O afastamento atende a pedido do chefe do Ministério Público Estadual (MPE) José Antônio Borges e do coordenador do Naco Criminal Domingos Sávio, que apontaram irregularidades na apuração sobre a aplicação de recursos provenientes de 13 Termos de Ajustamento de Conduta (TAC) destinados a projetos "fictícios".

Por meio de sua assessoria, a promotora esclarece que está em viagem e, portanto, ainda não foi notificada da decisão. Afirma, ainda, que desconhece os fundamentos jurídicos do novo pedido e que confia plenamente que a Justiça será feita, “pois há muitas provas de que as ações e projetos atacados na denúncia aconteceram”. Ainda segundo a assessoria, como se trata de uma decisão monocrática, a promotora terá 30 dias para apresentar defesa, a partir do momento em que for notificada.

Ainda na segunda, o promotor Leandro Volochko foi designado para atuar na mesma promotoria que Solange, conforme portaria assinada pela procuradora-geral em substituição Eunice Helena Rodrigues de Barros.

A ação

Além de Solange, Jean da Rosa Nunes e Wellington Miranda Passos, ambos representantes de instituições, também foram denunciados. Eles, segundo o MPE, ajudaram a promotora a desviar os recursos dos TACs por meio de projetos nunca executados. Durante os depoimentos os dois confessaram participação no susposto esquema.

Segundo a denúncia, as irregularidades ocorreram em vários projetos. Entre eles, menciona o Águas do Xingus, firmado através do Instituto Homem Brasileiro. Cita que Solange, sem conversar com ninguém, decidiu que o valor também deveria ser aplicado no “Cidadão ou Cidadania do Xingu”, que também foi atribuído à mesma instituição. Investigações apontaram, no entanto, que este segundo nunca existiu e nenhum documento foi encontrado sobre ele.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Mato Grosso (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial