Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Mato Grosso

MPE apura pagamento de propina de ex-presidente da Fiemt para servidores

 |
Divulgação / Reprodução

O ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso, Jandir Milan, e os ex-secretários Pedro Elias e César Zílio foram denunciados pelo Ministério Público Estadual por conta de esquema de corrupção envolvendo a empresa Ábaco Informática no governo de Mato Grosso. 

Na denúncia, o Ministério Público narra que a Ábaco, empresa de Milan, só conseguiu contrato com o Estado por conta do esquema criminoso montado dentro da antiga Secretaria de Estado de Administração (SAD) e que depois se expandiu para outras secretarias. São apurados contratos na ordem de R$ 24 milhões.

Na denúncia, o MPE cita que em 2008 a empresa venceu um contrato de R$ 4 milhões com o governo de Mato Grosso. 

Em 2016, César Zílio e Pedro Elias confessaram à polícia que foram procurados por Jandir Milan que ofereceu para eles de forma espontânea propina para o não atraso no pagamento dos três contratos da Ábaco com a SAD (hoje Secretaria de Estado de Planejamento de Gestão - Seplag). A propina paga pela empresa seria de R$ 20 mil por mês.  

Para reforçar a denúncia, o MPE usa dados de uma auditoria da Controladoria Geral do Estado (GCE) que considera que a Ábaco só venceu o contrato com o Estado porque houve direcionamento das licitações e considerou o lucro da empresa como exorbitante. 

O MPE destaca que não é possível mensurar o tamanho do prejuízo ao erário já que os contratos eram superfaturados e foi crescendo o volume de contratos na administração Silval Barbosa. Além da SAD, a Ábaco estava na Educação, Segurança, Unemat, Cepromat e Indústria e Comércio. O MPE suspeita que todos os contratos eram superfaturados e ajudavam a abastecer o esquema de propina. 

Também foram denunciados no esquema José de Jesus Nunes Cordeiro e Bruno Sambaio Saldanha, servidores responsáveis pela elaboração das licitações vencidas pela Ábaco, e conferência dos serviços prestados pela empresa ao governo de Mato Grosso, no período das fraudes.  



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Mato Grosso (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial