Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Mato Grosso

Prefeitura em MT é destaque no JN como exemplo entre municípios falidos no país

 |
Divulgação / Reprodução

O Jornal Nacional, que foi ao ar na noite desta quarta-feira (06), usou como exemplo o município mato-grossense de Santo Antônio de Leverger (35 km de Cuiabá) a para mostrar a situação de penúria de muitas cidades brasileiras.

A reportagem da jornalista Eunice Ramos, da TV Centro América, afiliada da TV Globo, destacou o drama vivido pela população da cidade que, nesta semana, viu a prefeitura fechar as portas por falta de recursos.

O JN destacou que as principais atividades econômicas de Santo Antônio da cidade são o turismo, a pesca e a agropecuária, mas desde junho passado, o rombo nas contas explodiu. O município arrecada R$ 3,5 milhões por mês em impostos e tem uma dívida de R$ 2 milhões.

A maior parte delas são débitos trabalhistas. Este ano, a folha de pagamento dos funcionários do município chegou a ficar dois meses atrasada.

“Fica o comércio parado, não funciona. Se o pessoal não recebe como é que pode pagar, se o prefeito não paga”, conta um comerciante.

Por causa da crise financeira o prefeito Valdir Pereira de Castro Filho (PSD), o “Valdizinho”, decidiu tomar uma atitude drástica e suspender o atendimento ao público na prefeitura. Durante dois meses, vão ser oferecidos apenas os serviços essenciais como saúde, educação e coleta de lixo.

Estão suspensos: cursos de qualificação, projetos e programas nas áreas de cultura e turismo, a regularização fundiária e parte da emissão de licenças para obras.

“Temos uma parte da folha ainda de setembro que nós iremos pagar agora nesta semana. Já iremos iniciar o pagamento de outubro dentro do mês e, dentro do mês de novembro, pagar o mês de outubro. E no mês de dezembro, eu já quero finalizar, virar o ano com todos os servidores pagos, por causa dessas atitudes que nós já estamos tomando antecipadamente” afirma Valdir Pereira de Castro Filho, prefeito de Santo Antônio de Leverger.

A prefeitura está fazendo um estudo de contenção de despesas e pretende dispensar 40% dos funcionários contratados e comissionados.

“É péssimo. Não existe um município com prefeitura fechada”, diz uma moradora. 

Uma pesquisa da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro constatou que em quase dois mil municípios brasileiros a arrecadação local não cobre nem as despesas para manter as prefeituras funcionando. E quase quatro mil municípios registram situação fiscal difícil ou crítica, incluindo nove capitais: Florianópolis, Maceió, Porto Velho, Belém, Campo Grande, Natal, Cuiabá, Rio de Janeiro e São Luís.

Na terça (05), o governo federal enviou ao Congresso uma série de propostas de reformas econômicas. Entre elas, está a possibilidade de municípios com menos de cinco mil habitantes e arrecadação própria menor que 10% da receita total serem incorporados por municípios vizinhos. Mas Santo Antônio de Leverger não se enquadra neste critério porque tem quase 17 mil habitantes. 95% por cento do que Santo Antônio recebe vem do estado de Mato Grosso e da União.

O prefeito defende um aumento dos repasses: “de 100% que se arrecada no Brasil, apenas 15% vai pro município. Sessenta por cento fica pro governo federal, de 25% a 35% com o governo estadual e o município apenas com 15%. Se houver uma distribuição mais justa dos impostos, onde o município consiga arrecadar mais, com certeza a realidade de todos os municípios do Brasil vai mudar, dos mais de 5 mil municípios do Brasil”.

Enquanto a prefeitura não reabre, a população espera. “A gente paga o imposto, queria ser bem atendido”, diz um morador.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Mato Grosso (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial