Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Mato Grosso

Após decisão judicial contra greve, Mauro ameaça abrir PADs e demitir contratados

 |
Divulgação / Reprodução

A 11ª semana de greve dos servidores da Educação começou com um recado direto do governador Mauro Mendes (DEM), que deixou claro que, depois que a decisão judicial que declarou a paralisação ilegal completar 30 dias, poderá demitir contratados e abrir processos administrativos disciplinares (PAD). A greve foi declarada ilegal pela desembargadora Maria Erotides Kneip, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, em 30 de julho. A decisão foi publicada em 1º deste mês.

“Nós não queremos fazer isso, queremos dialogar, mas vamos fazer isso com a firmeza necessária. MPE, TCE e Justiça já falaram. Não posso ceder quando a lei está do nosso lado, está determinando o que devemos fazer”, disse Mauro durante entrevista à Rádio Capital FM nesta segunda (5). Hoje, a partir das 14h, servidores da educação realizam nova assembleia-geral para deliberar sobre o movimento grevista.

O democrata enfatizou que já esclareceu à categoria que a Lei Complementar 510/2013, conhecida como a Lei da Dobra, está em vigor e, que quando o Estado retornar os gastos com custeio de pessoal a 49% da Receita Corrente Líquida (RCL), conforme estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o Estado pagará os direitos dos educadores.

“Isso eu já disse a eles na primeira reunião. Quando nós recuperarmos o Estado vocês terão o aumento de vocês. Mas eu não posso contrariar o MPE, o TCE, a Justiça, a lei federal. Eu estou trabalhando para isso, para botar ordem na casa. Agora, aumento de salário só quando cumprir os 49%. Eles parecem que não entendem isso. A lei não foi revogada, está em vigor”.

Mauro enfatizou que outros servidores do Estado também não receberam Revisão Geral Anual (RGA), aumento real e continuam trabalhando. “Inclusive, 60% dos professores continuam trabalhando, não estão em greve”.

O governador ainda repetiu o discurso que vem falando durante os 71 dias de greve, dizendo que o ensino médio no Estado está em 21ª posição entre as 27 unidades da Federação na classificação do Ideb, que é Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, apesar de a categoria ter o terceiro melhor salário do país.

“Um professor no Estado ganha o dobro do que ganha um professor na iniciativa privada. Tudo pode melhorar na vida, mas nesse momento não pode fazer, e tudo está dizendo que eles estão errados e não podemos dar aumento”, pontuou. 



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Mato Grosso (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial