Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Meio Ambiente

Pesquisa avalia efeitos de planta do cerrado no tratamento de doenças hepáticas

A toxicidade de um extrato botânico pode ser diferente dependendo da parte da planta utilizada, o modo de preparo do macerado e outros processos.

 |
Divulgação / Reprodução

Uma pesquisa financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat), avaliou os efeitos do extrato bruto da planta conhecida popularmente como “Lixeira” no tratamento de doenças hepáticas. O estudo é realizado pela professora Cláudia Andrade, do departamento de Químico da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com participação do pesquisador Fhelipe Jolner Souza de Almeida, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, da Faculdade de Medicina da UFMT.

A professora avaliou o efeito do extrato hidroalcoólico da Curatella americana L, nome científico da árvore, sobre as células estreladas, responsáveis pelo armazenamento da Vitamina A no fígado, e com importante função no sistema imunológico. O consumo excessivo de álcool pode provocar alterações no metabolismo destas celulas, levando a um quadro de fibrose hepática.

O objetivo da pesquisa é fazer uma associação entre o potencial antioxidante e a atividade antifibrótica do extrato. Os resultados mostraram que o efeito da planta depende da quantidade da planta utilizada. Quando a concentração era igual ou menor a 2 mg/ml, o extrato não apresentou toxicidade para as células, o que pode significar com a melhora no quadro de fibrose. No entanto, concentrações superiores a 3mg/ml foram pró-oxidantes, direcionando as células para a morte.

O extrato da Lixeira é popularmente utilizado no tratamento de várias doenças, como a diabetes. A pesquisa, no entanto, alerta que essa prática deve vir acompanhado do conhecimento científico, como mostra os resultados da pesquisa com a alta concentração da planta. “A busca por novos agentes terapêuticos não ocorre de maneira aleatória, muitas etapas são fundamentais, desde a correta identificação, parte da planta a ser utilizada, época de coleta do material botânico”.

A toxicidade de um extrato botânico pode ser diferente dependendo da parte da planta utilizada, o modo de preparo do macerado (mistura com solvente extrator escolhido e material botânico triturado) e via de administração podendo produzir efeitos tóxicos em maior ou menor grau.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Meio Ambiente (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial