Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Meio Ambiente

Mato Grosso tem queda no desmatamento pelo quarto mês consecutivo

 |
Divulgação / Reprodução

Pelo quarto mês consecutivo, Mato Grosso obteve queda no desmatamento da Amazônia, de acordo com o Serviço de Alerta do Desmatamento (SAD) publicado mensalmente pelo Instituto Imazon. Avaliando apenas o período de 30 dias em comparação a maio de 2018, Mato Grosso teve queda de 16% no desflorestamento, único estado da Amazônia legal a apresentar decréscimo. Já no comparativo do período acumulado de agosto de 2018 a maio de 2019 em relação ao mesmo período anterior, a queda foi de 21%.

“Mato Grosso vem alcançando bons resultados graças à coesão da secretaria, comprometimento e dedicação de toda a equipe. Mato Grosso mais uma vez se destaca na implementação de políticas públicas ambientais”, comemora a secretária de Estado de Meio Ambiente Mauren Lazzaretti. Ela explica que o Estado combina as ações de comando e controle com os incentivos para valorização da floresta em pé, como o Plano de Manejo Florestal Sustentável.

Ao longo dos cinco primeiros meses de 2019, a equipe da Coordenadoria de Fiscalização de Flora aplicou mais de R$ 222 milhões de reais em multas por crimes relacionados ao desmatamento ilegal. Nesse período foram embargados mais de 44 mil hectares e apreendidos cerca de 3600 metros cúbicos de madeira de origem ilegal.

As ações de Mato Grosso para combater o desmatamento ilegal em Mato Grosso estão elencadas no Plano de Prevenção e Controle do Desmatamento e Incêndios Florestais do Estado de Mato Grosso (PPCDIF/MT), que já está em sua terceira fase. O secretário adjunto Executivo da Sema, Alex Marega, explica que as ações de comando e controle estão pautadas no monitoramento constante, por meio de autuação remota e presença da fiscalização; sensibilização dos proprietários rurais; criminalização e responsabilização

Outra frente de atuação mato-grossense para conter o desmatamento e valorizar a floresta em pé é o desenvolvimento de estratégias integradas para o Desenvolvimento Rural de Baixa Emissão (DBRE). De acordo com o Instituto Earth Innovation, de 39 jurisdições que abrigam florestas tropicais em seu território, Mato Grosso é a única que mantém uma ampla gama de iniciativas mais avançadas que abordam a produção agropecuária sustentável para propriedades de grande e pequeno porte.

Essas iniciativas estão todas elencadas dentro da Estratégia Produzir, Conservar e Incluir (PCI), lançada na COP 21 em Paris, que inclui 21 metas claras para aliar produção com conservação ambiental e inclusão social. Os marcos foram desenvolvidos por meio de processos participativos que incluíram atores de setores públicos, privados e sem fins lucrativos e buscam o desmatamento líquido zero em todo o estado e zerar emissões líquidas de carbono florestal até 2030, mantendo aproximadamente seis gigatoneladas de CO2 fora da atmosfera, além de manter no mínimo 60% da cobertura vegetal nativa.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Meio Ambiente (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial