Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Política

PSB de "direita" vê riscos em mudanças ideológicas

 |
Divulgação / Reprodução

A resolução nacional do PSB para que a legenda participe das manifestações do dia 24 de julho contra o presidente da República, Jair Bolsonaro, poderá atrapalhar as pretensões políticas do presidente da Assembleia, Max Russi (PSB), em Mato Grosso.  

Isso porque o deputado tem articulado a filiação de várias lideranças, prefeitos e vereadores para disputar as eleições de 2022 pelo partido. Porém, a movimentação do PSB para se opor ao presidente Bolsonaro e uma possível indicação do vice na chapa do ex-presidente Lula, poderá frear o fortalecimento da legenda no Estado.  

Um dos exemplos é a filiação do advogado Euclides Ribeiro, que disputou o Senado na eleição suplementar de 2020 e deverá recuar da sua decisão, já que é apoiador do governo Bolsonaro. Em outros municípios onde o bolsonarismo domina o meio político, o PSB de Mato Grosso também poderá não concretizar o seu processo de fortalecimento com filiações de lideranças locais.  

Se confirmado o posicionamento do PSB nacional, Max também terá dificuldades em manter a legenda no palanque de reeleição do governador Mauro Mendes (DEM), já que o chefe do Paiaguás tem se aproximado do eleitorado bolsonarista e deverá abrir o seu palanque para o presidente.  

Russi, inclusive, é um dos nomes que à Assembleia estuda indicar para vice de Mauro, caso o atual vice-governador, Otaviano Pivetta não queira concorrer ao cargo novamente.  

Questionado sobre o posicionamento do PSB no Estado, Max Russi disse que ainda não foi comunicado pela direção nacional e evitou o assunto.  

Resistência declarada    

Já o vereador de Cuiabá, Dídimo Vovô (PSB), defendeu que a sigla não siga a orientação nacional e afirmou que votará contra, caso o partido participe das manifestações por ‘Fora Bolsonaro’.  

“Não sei qual o posicionamento das direções estadual e municipal. Mas eu sou contra isso e acho que não é por aí. E nós militantes temos que ter a liberdade de decidir”, disse.  

Na resolução assinada pelo presidente da sigla, Carlos Siqueira, no último domingo (10), o PSB afirma que a situação política do país é ‘gravíssima’, e que a ‘democracia e a própria vida dos cidadãos estão sendo seriamente ameaçadas justamente por quem tem mais o dever de defendê-las, o senhor Presidente da República Jair Bolsonaro’.  

“A participação dos militantes socialistas que se sintam seguros para fazê-lo e respeitando todos os protocolos de segurança sanitária como o uso de máscaras, álcool gel e guardando o distanciamento”, completa.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial