Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Política

Senado oficializa cassação do mandato de Selma Arruda e Fávaro deve assumir vaga

 |
Divulgação / Reprodução

A Mesa Diretora do Senado decretou oficialmente a perda de mandato de Selma Arruda (PODE), cassada pela Justiça Eleitoral de Mato Grosso por caixa 2 e abuso de poder econômico. Com isso, o ex-vice-governador Carlos Fávaro (PSD) deverá assumir a vaga temporariamente por conta de uma liminar do Supremo Tribunal Federal (STF).

Durante a reunião, a maioria dos membros da Mesa Diretora seguiu o entendimento do relator do caso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), que votou pelo cumprimento da cassação determinada pela Justiça Eleitoral do Estado e confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em dezembro do ano passado.

Apenas o senador Lasier Martins (Podemos-RS), correligionário de Selma, votou contra a perda de mandato. O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou a perda do mandato durante a sessão plenária de quarta-feira (15).

Após o anuncio,  caberá a Mesa marcar a data para a posse temporária de Fávaro, por conta da liminar dada pelo presidente do STF, Dias Toffoli, que atendeu o pedido do governador Mauro Mendes (DEM), sob justificativa de que a paridade entre os Estados fiaria comprometida. Fávaro deve ser comunicado nesta quinta-feira (16) da sua posse. 

 De acordo com a liminar, Fávaro deve permanecer no cargo até a conclusão da eleição suplementar para a vaga. No entanto, a eleição que ocorreria no dia 26 de abril foi adiada por conta da pandemia do novo coronavírus, sem data para realização. Alguns defende que o pleito suplementar ocorra em outubro junto com as eleições municipais. No entanto, a Justiça Eleitoral também não descarta adiá-la. Com isso Fávaro deverá ganhar um bom tempo de mandato.  

 A juíza aposentada Selma Arruda (Podemos) e seus suplentes, Gilberto Possamai (PSL) e Clérie Fabiana (PSL), foram cassados em decisão de dezembro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), por 6 votos a 1.  

 A corte concluiu que houve abuso de poder econômico e captação ilícita de recursos durante a campanha de 2018, e manteve a decisão do TRE de Mato Grosso que já havia decretado a perda do mandato em abril de 2019.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial