Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Política

Justiça suspende pagamento de verba indenizatória destinada a prefeito e vereadores

 |
Divulgação / Reprodução

Por meio de liminar concedida na segunda-feira (2), o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) determinou a suspensão imediata de pagamentos da Verba Indenizatória a políticos da cidade de Barra do Bugres.

Entre os políticos está o prefeito do município, Raimundo Nonato de Abreu Sobrinho, o presidente da Câmara Municipal e seus respectivos vereadores. A Justiça vislumbrou inconstitucionalidade no referido pagamento apontada pelo Ministério Público (MPE), por meio de uma ação civil pública.
 
Tanto o prefeito Raimundo Nonato, quanto ao presidente do legislativo barrense, Josoel Izídio Barboza, são devidamente qualificados nos autos, instaurados por meio da Promotoria de Justiça de Barra do Bugres.
 
O MPE constatou existência de Leis Municipais aprovadas no final de 2019, que cria a verba indenizatória no âmbito dos Poderes Executivo e Legislativo Municipal.
 
Nos autos, a Promotoria de Justiça alegou que "as referidas verbas não possuem caráter indenizatório algum e que os aumentos previstos são desarrazoáveis, havendo uma diferença considerável entre os valores pagos mensalmente a título de diárias e os valores que virão a ser percebidos após a edição das normas supracitadas, de forma que tais benefícios seriam, na verdade, subsídios disfarçados de verbas indenizatórias", diz parte do texto.
 
E continua: "assim, por entender presentes os requisitos na espécie, requer a concessão da tutela antecipada consistente na determinação ao Requerido para que não efetue o pagamento das verbas previstas nas Leis Municipais n.º 2.400/2019 e 2.404/2019 (aprovadas na calada da noite), até o julgamento final da presente ação e, caso sobrevenha nova lei municipal disciplinando a matéria, que seja determinado ao Requerido a realização de despesa consistente no pagamento de verbas indenizatórias para membros dos Poderes Executivo e Legislativo somente mediante pedido de ressarcimento dos gastos efetivamente realizados por meio de formulário padrão, instruído com planilha de gastos e demais documentos pertinentes."
 
Na decisão, a Justiça deixou claro suspender o pagamento para se evitar danos a Administração Pública mediante gastos não previstos em Lei Orçamentária, ou seja, trazendo prejuízos ao erário.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial