Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Política

TRE mantém processo para cassar mandato de Avallone

 |
Divulgação / Reprodução

O Pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Mato Grosso negou por unanimidade o pedido do deputado estadual Carlos Avalone (PSDB) para trancar a ação judicial que pode resultar em sua cassação, por conta das eleições de 2018, quando 3 pessoas foram detidas em flagrante, na BR-070, com R$ 90 mil em dinheiro e várias caixas de santinhos do então candidato.

O relator do habeas corpus, desembargador Sebastião Barbosa Farias, seguiu o parecer do Ministério Público Eleitoral, afirmando que os fatos narrados e colhidos até o momento já são suficientes para às investigações.

A defesa alegava que o processo teria "insuficiência de prova pré-constituída" para que a ação prosseguisse. "Sem entrar no mérito da questão, só fato de se ter encontrado R$ 89 mil em dinheiro, dentro de um carro, véspera das eleições, o carro adesivado com a propaganda do Carlos Avalone e um deles dizem que pegou o dinheiro do escritório do paciente [Avalone], já e motivo para se investigar", disse o presidente do TRE ao seguir o voto do relator.

As detenções foram feitas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), que encaminhou os suspeitos para a sede da Polícia Federal (PF), em Cuiabá. Após depoimentos, os 3 foram liberados. O dinheiro e os materiais de campanha de Avalone estavam em uma carro. 

Avalone assumiu a cadeira de deputado, em fevereiro, em definitivo após Guilherme Maluf ter sido nomeado conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

O parlamentar é investigado na Operação Ararath e foi alvo da 12ª fase, denominada "Malebolge". De acordo com a delação do ex-governador Silval Barbosa, Avalone e seus irmãos, que são sócios na construtora Três Irmãos, pagaram propina com um cheque sem fundo.

 A propina seria proveniente de contratos do programa “MT Integrado”, que assegurava investimentos de aproximadamente R$ 1,5 bilhão para pavimentação.

Avalone supostamente entregou cerca de R$ 2 milhões em cheques ao ex-governador Silval Barbosa (MDB), a título de propina do “retorno” dos contratos das obras.

Outro lado

O deputado Carlos Avalone nega ser dono do recurso apreendido e refuta às acusações da Operação Ararath, envolvendo a delação do ex-governador Silval Barbosa.



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial