Temperatura do dia: Em - MT
ºC |
PUBLICIDADE

Política

Projeto prevê isenção de ICMS apenas para Hospital de Câncer de MT

Fiemt pede inclusão de todos filantrópicos

 |
Divulgação / Reprodução

O projeto de lei complementar que revalida os incentivos fiscais em Mato Grosso, encaminhado pelo governador Mauro Mendes (DEM) à Assembleia Legislativa na semana passada, inclui somente o Hospital de Câncer, entre todas as unidades de saúde filantrópicas na a isenção do tributo incidente no fornecimento de energia elétrica.

O alerta está sendo pela Fiemt (Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso), uma das entidades que está atuando nas negociações tanto com a Assembleia Legislativa, quanto no Poder Executivo e pede para que as outras unidades de saúde filantrópicas também tenham isenção de ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) do tributo incidente no fornecimento de energia elétrica.

O deputado estadual Ulysse Moraes (DC) foi um dos parlamentares alertados pela entidade e já manifestou apoio à mudança no texto, incluindo a isenção para todos os hospitais filantrópicos.

Atualmente, 13 unidades de saúde filantrópicas tem direito ao benefício. São elas: Associação de Proteção à Maternidade e à Infância de Cuiabá; Hospital Beneficente Santa Helena; Sociedade Beneficente da Santa Casa de Misericórdia; Associação Congregação de Santa Catarina; Associação Pro Saúde do Parecis; Fundação Luverdense de Saúde; Associação Beneficência Poconeana; Sociedade Hospitalar São João Batista; Associação Espírita Beneficente Paulo de Tarso; Santa Casa de Misericórdia e Maternidade de Rondonópolis e Fundação de Saúde Comunitária de Sinop.

Sem a inclusão dos outros hospitais filantrópicos no projeto de lei, as unidades correm o risco de perder o benefício. O projeto de lei complementar segue sendo debatido em audiências na Assembleia Legislativa e em reuniões com o Executivo.

O texto chegou a ser lido na sessão extraordinária realizada na quinta-feira (27) com requerimento de dispensa aprovado, mas a sessão foi anulada pelo presidente da casa de leis, Eduardo Botelho (DEM).



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política (últimos 30 dias)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial