Temperatura do dia: Em Jaciara - MT
33 ºC | Tempo nublado
PUBLICIDADE

Política

Juíza nega ação de produtores contra lei que modificou Fethab

 |
Divulgação / Reprodução

A juíza Célia Regina Vidotti, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, determinou o arquivamento de uma ação proposta pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato Grosso (Aprosoja) e diversos sindicatos rurais de cidades do interior. A magistrada, no entanto, encaminhou cópias do processo ao Ministério Público Estadual (MPE), tendo em vista que existem informações que apontariam para o cometimento de ato de improbidade administrativa e crime de responsabilidade por parte do Governo do Estado.

 

Na ação, a Aprosoja e os sindicatos pedem a declaração de inconstitucionalidade de artigos da lei que versa sobre o Fethab, alterados em 2015, pela administração de Pedro Taques (PSDB) no Governo do Estado. Segundo a associação, a dotação desvirtuada dos recursos macula a própria arrecadação do tributo e, com base nisso, pediam a devolução da arrecadação relativa ao Fethab 2.

 

A magistrada entendeu que por se tratar de uma ação que pretende questionar uma legislação tributária e sua constitucionalidade, não seria cabível uma ação civil pública, como a pretendida pela Aprosoja. Ela apontou assim, um erro processual, o que resultou no arquivamento do processo.

 

 “Analisando detidamente a inicial e os documentos que a acompanham, verifico a pretensão, na forma como foi deduzida, padece de uma impropriedade insanável, que impede o seu recebimento. O parágrafo único do art. 1º, da Lei n.º 7.347/85, não permite o manejo de ação civil pública quando a pretensão veiculada envolva tributo”, apontou, na decisão.

 

Ao final de sua decisão, no entanto, a juíza Célia Regina Vidotti determinou que cópias dos autos sejam encaminhadas para o MPE, tendo em vista que, segundo o pedido da Aprosoja, há a possibilidade de que o Governo do Estado tenha cometido atos que podem, inclusive, resultar na cassação do governador Pedro Taques. 

 

“Extraia-se cópia dos autos e encaminhe-se ao Ministério Público, para conhecimento e providências pertinentes, haja vista as informações acerca da ilegalidade, em tese, cometidas pelo gestor estadual, que podem caracterizar o cometimento de ato de improbidade administrativa e crime de responsabilidade”, completa



deixe sua opinião






  • Máximo 700 caracteres (0) 700 restantes

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem.

    Clicando em enviar, você aceita que meu nome seja creditado em possíveis erratas.



mais lidas de Política

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
TOPO

Contato

Redação

Facebook Oficial

Kanix Web Developers